Topo

Jornalista Paulo Henrique Amorim morre aos 76 anos

do UOL

Felipe Pinheiro

Do UOL, em São Paulo

10/07/2019 08h37Atualizada em 10/07/2019 22h41

O jornalista e apresentador Paulo Henrique Amorim morreu na madrugada desta quarta, aos 76 anos, após sofrer um infarto fulminante. Ele havia acabado de retornar de um jantar com amigos e estava em casa, no Rio de Janeiro, quando passou mal. A informação foi confirmada pela Record TV.

O velório do jornalista será aberto ao público e acontece amanhã, das 10h às 15h, na Associação Brasileira de Imprensa, no Centro do Rio. O corpo será cremado no cemitério do Caju.

Amorim trabalhava na emissora desde 2003, onde apresentou o Jornal da Record - 2ª edição, ajudou a criar o Tudo a Ver e esteve à frente do Domingo Espetacular até junho passado, quando foi afastado da revista eletrônica em um momento em que fazia fortes críticas ao governo de Jair Bolsonaro (PSL). Em nota, a Record informou que ele permanecia na casa à disposição para novos projetos.

A emissora divulgou uma nota de pesar em que relembrou a trajetória profissional do apresentador: "A Record TV lamenta profundamente o falecimento de Paulo Henrique Amorim e se solidariza com os amigos, familiares e admiradores. A todos, nossas sinceras condolências".

Amorim deixa uma filha, dois netos e a mulher, a jornalista Geórgia Pinheiro.

Em entrevista para o telejornal SP No Ar, o jornalista Michael Keller, que trabalhou com Amorim por quase 10 anos, lamentou a morte do colega.

"Ele era muito do contraditório. Era contundente nas colocações dele, mas também ouvia quando a gente falava. Tive discussões no 'Domingo Espetacular' em situações políticas e profissionais. O Paulo era desse jeito, tinha um ponto de vista e dificilmente conseguia mudar. A discussão era salutar. Era uma pessoa com quem que aprendi muito pelo contraditório".

A apresentadora Ana Hickmann, que começou a carreira na televisão com Paulo Henrique Amorim no programa Tudo a Ver, relembrou que o jornalista foi o primeiro a acreditar em seu potencial na televisão.

"Foi ele que me deu a chance de começar minha nova profissão na televisão e me deu grandes conselhos na minha vida. Lembro da primeira ligação me convidando para trabalhar na Record TV. 'Como um grande jornalista como você vem procurar uma modelo para fazer esse tipo de trabalho?' Ele falou: 'Eu acredito em você'. Foi assim que comecei minha história na TV", contou.

Trajetória

O jornalista estreou no jornal A Noite, em 1961, foi correspondente em Nova York da revista Realidade e trabalhou na Veja. Na TV, passou também por Manchete e Globo --onde também foi correspondente internacional--, Band e TV Cultura.

Em 1972, ganhou Prêmio Esso, um dos mais importantes do jornalismo brasileiro, na categoria informação econômica, pela reportagem "A renda dos brasileiros", publicada pela revista Veja.

Entre 2000 a 2004, o jornalista passou pelo UOL, onde foi âncora do UOL News, programa pioneiro de jornalismo em vídeo na internet brasileira.

Além do trabalho na Record, ele mantinha um blog, o Conversa Afiada, em que abordava assuntos sobre política e economia. No blog, o jornalista fazia duras críticas ao governo Bolsonaro e também a veículos de mídia, como a Rede Globo.

Hoje, o Twitter do ex-presidente Lula divulgou a última carta que ele enviou ao jornalista.

Jornalista controverso

Paulo Henrique Amorim era conhecido pelo temperamento forte, por vezes polêmico, e chegou a enfrentar processos na Justiça.

Em 2016 ele foi condenado por injúria racial contra o jornalista Heraldo Pereira, da Globo. Em um post no blog Conversa Afiada, publicado em 2010, Amorim chamou o colega de profissão de "negro de alma branca".

Ele já havia sido condenado a pagar 30 salários mínimos por ofensas ao jornalista Merval Pereira.

"Olá, tudo bem?"

O apresentador ficou famoso pelo bordão "olá, tudo bem?". O conhecido cumprimento surgiu após a participação em uma edição especial da rede americana CNN.

"A editora da CNN disse que gostaria que correspondentes estrangeiros saudassem o público americano na sua língua própria. Eu fiz uma vinhetinha falando 'Olá, tudo bem?', que é a maneira que nós brasileiros saudamos as pessoas", contou ele ao extinto Programa do Porchat.

De volta ao hotel é que Amorim se deu conta de que havia encontrado um bordão: "Um americano que me viu na CNN me reconheceu e falou: 'Olá, tudo bem?' [imitando sotaque]. Aí eu pensei: 'Opa, é um bordão'. E como diz o Boni, televisão é bordão".

Errata: o texto foi atualizado
Diferentemente do informado em uma primeira versão deste texto, Paulo Henrique Amorim tinha 76 anos. Ele nasceu em 1943. A informação foi corrigida no texto
Diferentemente do informado em uma primeira versão deste texto, Paulo Henrique Amorim foi condenado pelo STF (e não pelo Ministério Público) na ação movida pelo jornalista Heraldo Pereira. O texto foi corrigido

Entretenimento