PUBLICIDADE
Topo

Conheça 8 formas inusitadas de celebrar o Valentine's Day pelo mundo

Adobe Stock
Imagem: Adobe Stock
do UOL

Luiza Sahd

Colaboração para o Urban Taste, em Madri

14/02/2019 04h00

O Brasil é um dos poucos países que não celebra o Dia dos Namorados em 14 de fevereiro, o Dia de São Valentim (ou Valentine's Day em inglês). Por aqui, a gente costuma achar ruim quando não tem um mozão com quem partilhar a data de 12 de junho; enquanto isso, em outros cantos do globo, as comemorações podem incluir os amigos, crianças, parentes, presentes que incluem insetos e até dia dos "desnamorados".

Veja quais são os destinos mais interessantes para, quem sabe, celebrar o próximo 14 de fevereiro no próximo ano -- ou fugir a toda velocidade.

Medindo o amor em flores

Em Taiwan, as rosas são clássicos no 14 de fevereiro. Porém, a quantidade importa por lá -- e muito. Presentear com uma rosa é o mesmo que dizer "você é meu único amor"; com 11, significa "você é minha pessoa favorita"; com 99, o mote é "vou te amar para sempre". Se você ganha 108 rosas, isso é um pedido de casamento. Imagina a adrenalina na contagem das flores?

Meninas levam chocolates; meninos não levam nada

Você não ficaria surpreso ao saber que, no Japão, o presente mais habitual no dia de São Valentim é chocolate, certo? Mas e se a gente te contar que, por lá, a tradição pede que as moças deem chocolates para seus namorados? E mais: além dos amantes, é de bom tom que elas também ofereçam um chocolatinho a colegas de trabalho homens.

Podre de chique

Em Nova Iorque (EUA), o Dia dos Namorados é também aquele em que o Empire State Building libera dez pares de pombinhos para celebrar o casório no 86º andar deste edifício histórico. A disputa por esse privilégio é tão grande que a lista de felizardos é divulgada nos jornais.

Casório coletivo

Nas Filipinas, além das tradições comuns como a troca de flores, bombons e cartinhas de amor, o pessoal aproveita o 14 de fevereiro para realizar casamentos coletivos. Milhares de pessoas se reúnem vestidas de noivas ou noivos -- o único requisito mandatório para oficializar a relação. Se você não sabe como pedir o mozão em casamento, talvez a boa seja marcar uma viagem para lá. Nesse caso, não esqueça dos trajes.

Aceite um inseto como prova de meu amor

A gente sabe que, na China, a relação entre humanos e insetos é meio diferenciada. Os bichinhos não só fazem parte da receita de iguarias gastronômicas locais como também podem virar provas de amor. Por lá, é comum ganhar um vaga-lume do crush no Dia dos Namorados -- seja ele de verdade ou uma réplica. A tradição vem da lenda dos pombinhos Xia Lang e Ji Gu, que teriam se lançado juntos de uma ponte e emergido como vaga-lumes. 

Dia dos desnamorados? Temos também!

Na Coreia do Sul, 14 de fevereiro é o dia em que mulheres devem presentear os homens com chocolates, como no Japão. Em 14 de março, é a vez dos caras retribuírem a gentileza com presentes que não sejam chocolate. Em geral, eles oferecem outros docinhos. Já o 14 de abril é o Dia Negro, quando as pessoas que não tem um amor vão a restaurantes degustar um "jajangmyeon", que é como se fosse um lámen de macarrão negro.

Adivinha quem é?

Na Dinamarca, o 14 de fevereiro é celebrado de uma forma curiosa e -- por que não dizer? -- meio embaralhada com a Páscoa. As pessoas recebem cartões com versos engraçados sobre elas (os chamados gækkebreve) que são "assinados" apenas com a quantidade de letras do nome do remetente. Se a pessoa que ganhou o cartão adivinhar quem foi o remetente em até 3 tentativas, ela ganha um ovo de páscoa. Se não adivinhar, ela deve um ovo de páscoa a essa pessoa.

Indiretas do bem

Na África do Sul, um costume semelhante às simpatias que fazemos no Brasil é uma das tradições do dia de São Valentim. Por lá, a mulherada costura o nome do crush na manga da camisa que vai usar na data. Às vezes, é assim que o pessoal descobre quem são suas admiradoras secretas.

Entretenimento