PUBLICIDADE
Topo
Entretenimento

Entretenimento

Pai de seis filhos, Ricardo Boechat começou no jornalismo na década de 70

Datena anuncia ao vivo morte de Ricardo Boechat

UOL Entretenimento
do UOL

Carolina Farias e Ana Cora Lima

Do UOL, no Rio

11/02/2019 14h02

Ricardo Eugênio Boechat, 66, morreu nesta segunda-feira (11) em um acidente de helicóptero, em São Paulo.

Ele era casado pela segunda vez com Veruska Seibel, de 46 anos, desde 2005, e tinha duas filhas com ela: Valentina, 12, e Catarina, 10. Ele deixa outros quatro filhos: Bia, 40, Rafael, 38, Paula, 36, e Patricia, 29, frutos do casamento com Claudia Costa de Andrade.

Nascido em Buenos Aires, ele era filho da argentina Mercedes Carrascal, de 86 anos, que vive em Niterói desde 1956. O seu pai Dalton era diplomata e estava a serviço no país vizinho.

Uma publicação compartilhada por Ricardo Boechat (@boechatreal) em

Em 2015, Boechat revelou ter depressão. Ele falou da doença durante um dos seus programas diários. "A depressão não escolhe vítimas por seu grau de instrução ou situação econômica. Castiga sem piedade e da mesma forma pobres e ricos, anônimos e famosos."

Jornalista premiado

Foi como repórter do extinto jornal "Diário de Notícias" que iniciou sua carreira, na década de 1970. Em 1983, foi para o jornal "O Globo" e, quatro anos mais tarde, chegou a ocupar a secretaria de Comunicação Social no governo Moreira Franco, mas voltou para o jornal da família Marinho em 1989, como editor da coluna "Swann", que mais tarde, foi transformada em "Boechat".

Vencedor de vários prêmios, entre eles, o Esso, na categoria Informação Política, com Rodrigo França, em 1992; na categoria Informação Econômica, com Chico Otávio e Bernardo de la Peña, em 2001. Boechat também trabalhou nos jornais, "O Dia", "O Estado de S. Paulo" e "Jornal do Brasil".

Em 1997, o jornalista passou a ser destaque na rede Globo, no qual fazia um quadro de opinião no matinal "Bom Dia Brasil". Sempre com notas de sua coluna que renderam pautas aprofundadas, sucesso e polêmicas. Deixou a Globo em junho de 2001.

Entrou para o Grupo Bandeirantes como diretor de Jornalismo no Rio. Em fevereiro de 2006, mudou-se para São Paulo, para ancorar o "Jornal da Band", principal noticiário da emissora. Desempenhava a mesma função no programa diário na rádio BandNews FM, transmitido para todo o Brasil. Assinava ainda uma coluna semanal na revista "IstoÉ", com a colaboração de Ronaldo Herdy.

Na coluna publicada na revista na sexta-feira (8), que levou o título "Acabou a Folia", ele falou, entre outros assuntos, de corrupção, da dança das cadeiras com a troca de poder no Senado e da tragédia de Brumadinho.

Em seu último programa na manhã desta segunda-feira (11) na rádio, Boechat falou das grandes tragédias que acontecem no Brasil que ficaram sem punição.

Entretenimento