PUBLICIDADE
Topo

Entretenimento

Cadeirante realiza sonho e se levanta antes de Rússia x Arábia Saudita

Polina Haeretdinova foi a primeira cadeirante a entrar em campo acompanhando um jogador em Copas do Mundo - Matthias Hangst/Getty Images
Polina Haeretdinova foi a primeira cadeirante a entrar em campo acompanhando um jogador em Copas do Mundo Imagem: Matthias Hangst/Getty Images

Do UOL, em São Paulo

15/06/2018 04h00

Quando as seleções de Rússia e Arábia Saudita entraram em campo nesta quinta-feira para o jogo de abertura da Copa do Mundo de 2018, o goleiro Igor Akinfeev, capitão russo, precisou passar para o lateral esquerdo Yuri Zhirkov a flâmula que trocaria com Osama Hawsawi, dono da braçadeira saudita. O motivo, porém, foi nobre: coube ao camisa 1 levar ao gramado do estádio Luzhniki a jovem Polina Haeretdinova, de 11 anos.

Brasil estreia às 15h deste domingo; veja a tabela
Simule os classificados e o mata-mata do Mundial
Super-heróis: Marcelo sofreu com 7 a 1 e ganhou peso

Assim, Polina fez história: segundo a agência de notícias russa Tass, foi a primeira pessoa cadeirante a entrar em campo ao lado de um jogador na história das Copas do Mundo. E fez mais do que isso.

Com ajuda de jogadores, Polina conseguiu se levantar por alguns instantes no gramado do estádio Luzhniki - Lars Baron - FIFA/FIFA via Getty Images - Lars Baron - FIFA/FIFA via Getty Images
Com ajuda de jogadores, Polina conseguiu se levantar por alguns instantes no gramado do estádio Luzhniki
Imagem: Lars Baron - FIFA/FIFA via Getty Images
A história da jovem torcedora com o futebol começou bem antes do jogo do Grupo A. Portadora de um problema na medula, ela já havia entrado em campo durante a Copa das Confederações de 2017, na abertura de Rússia x Portugal. Na ocasião, os portugueses venceram por 1 a 0, graças ao gol de Cristiano Ronaldo logo aos 8 min do primeiro tempo.

Polina revelou naquele dia um de seus principais sonhos: entrar novamente em campo na Copa do Mundo de 2018, mas conseguir ficar em pé desta vez. Desde então, intensificou seu tratamento com o auxílio do ministério da Saúde do Tartaristão (uma das subdivisões da Rússia), de médicos, hospitais e de um programa de assistência da rede de lanchonetes que patrocina a Fifa.

Em campo, a menina não conseguiu ficar em pé por muito tempo – com a ajuda dos próprios Igor Akinfeev e Yuri Zhirkov, levantou-se por alguns instantes. Ainda assim, foi bastante celebrada. E a seleção da casa, que venceu por 5 a 0, fez a festa.

O feito foi semelhante ao de Juliano Pinto, então com 29 anos, na abertura da Copa do Mundo de 2014, no Brasil. Na ocasião, o cadeirante brasileiro - que não acompanhava atletas - se levantou de uma cadeira de rodas utilizando um exoesqueleto e deu um pontapé inicial simbólico antes da partida Brasil x Croácia na Arena de São Paulo.

Entretenimento