Carnaval 2018

Carnaval 2018

Confira a programação dos blocos no pós-Carnaval do Rio de Janeiro em 2018

Divulgação
O grupo carioca Monobloco promete arrastar multidão no Aterro do Flamengo, no próximo domingo (18) Imagem: Divulgação

Do BOL, em São Paulo

14/02/2018 15h41

Alô, cariocas e turistas que lotaram as ruas do Rio de Janeiro de glitter e confetes! A folia ainda não acabou! 

Veja também: 

A partir de sexta-feira (16) tem mais curtição na cidade maravilhosa. Confira, a seguir, os bloquinhos que prometem ferver: 

16/2 - Sexta-feira

Centro
Só Tamborins
Horário - 20h
Onde: Travessa Mosquera, Lapa
Vila Isabel
Kizomba
Horário - 18h
Onde - Praça Barão de Drummond, Vila Isabel
Méier
Alegria do Méier
Horário - 19h
Onde - Rua Galdino Pimentel, esquina com Dias da Cruz, Méier
Bangu
Horário - 18h
Bangay Folia*
Onde - Rua Figueiredo Camargo, Praça da Kibon, Bangu

17/2 - Sábado 

Bloco das Poderosas
Horário - 9h
Onde - Rua Primeiro de Março, entre Rua Buenos Aires e Rua do Rosário, Centro
Quizomba
Horário - 10h
Onde - Rua dos Arcos, em frente ao Circo Voador, Lapa
Bloco Superbacana (Não Oficial)
Horário - 15h
Onde - Praça Afonso Pena, Tijuca
OBA – Organização Bons Amigos
Horário - 16h
Onde - Largo da Prainha, Saúde
Vaca Atolada dos Embaixadores da Folia
Horário - 17h
Onde - Avenida Gomes Freire, 533, Centro
Berço do Samba
Horário - 17h
Onde - Praça Cardeal Câmara, Lapa
Mistura de Santa
Horário - 18h
Onde - Mirante do Rato Molhado, Santa Teresa
Botafogo, Leme, Catete
Se Esta Rua Fosse Minha
Horário - 13h
Onde - Praça Sandro Moreira, Flamengo
Sufridos de Copacabana
Horário - 16h
Onde - Praça Manuel Campos da Paz, Copacabana
Sem Saída
Horário - 17h
Onde - Rua General Severiano, 76, Botafogo
Pela Saco
Horário - 17h
Onde - Praça Corumbá, Botafogo
Mulheres de Chico
Horário - 18h
Onde - Praia do Leme, Leme
Ipanema, São Conrado
Bafafá
Horário - 9h
Onde - Praia de Ipanema, em frente ao Posto 9, Ipanema
Barra, Recreio
Eu Sou Normal, mas o Côco é Loko
Horário - 14
Onde - Av. Lúcio Costa, em frente ao nº 2.940 – Quiosque Côco Loko, Barra
Baterfunk
Horário - 14h
Onde - Av. Lúcio Costa, Posto 9, Recreio
É Pequeno Mas Não Amolece
Horário - 17h
Onde - Praça Professor Henrique Niremberg, Recreio
Engenho de Dentro, Riachuelo, Del Castilho
Sepulta Carnaval
Horário - 17h
Onde - Rua Ana Leonídia, esquina com Dr. Bulhões, Engenho de Dentro
Furukuteu
Horário - 17h
Onde - Rua Francisco Bernardino, Riachuelo
Fuzuê
Horário - 18h
Onde - Rua Chapadinha, 2, Del Castilho
Penha, Olaria
Ciganas Feiticeiras de Olaria
Horário - 17h
Onde - Rua Paranhos, esquina com João Rego, Olaria
Banda Devassa
Horário - 20h
Onde - Rua Patagônia, Penha
Ilha do Governador
Vem Comigo Cachaçada
Horário - 18h
Onde - Rua Paramopama, em frente ao restaurante Bom Demais, Ribeira
Pedra de Guaratiba, Realengo
Bloco da Ressaca
Horário - 16h
Onde - Rua Barros de Alarcão – Praça São Pedro, Pedra de Guaratiba

Luciola Villela/UOL
Imagem: Luciola Villela/UOL

18/2 - Domingo

Região Central
Monobloco
Horário - 9h
Onde - Aterro do Flamengo
Papudinho do Rio de Janeiro
Horário - 14h
Onde - Praça Condessa Paulo de Frontin, Rio Comprido
Bonde da Folia
Horário - 15h
Onde - Rua Fonseca Guimarães, Santa Teresa
Copacabana, Botafogo, Flamengo
Broxadão a Hora é Essa
Horário - 16h
Onde - Avenida Atlântica, esquina com Figueiredo de Magalhães, Copacabana
Boka de Espuma
Horário - 18h
Onde - Rua Marques de Olinda, entre a Bambina e Rua Muniz Barreto, Botafogo
Jardim Botânico, Arpoador, Ipanema
Conjunto Habitacional Barangal
Horário - 11h
Onde - Avenida Vieira Souto, em frente ao Posto 9, Ipanema
Galinha do Meio Dia
Horário - 11h
Onde - Avenida Vieira Souto, esquina com Henrique Dumont, Ipanema
Grande Tijuca
Aí Sim! 
Horário - 14h
Onde: Praça Xavier de Brito, Tijuca
Herdeiros da Vila
Horário - 19h
Onde - Boulevard 28 de Setembro, em frente ao nº 310, Vila Isabel
7 de Paus
Horário - 20h
Onde - Boulevard 28 de Setembro, esquina com Visconde de Abaeté, Vila Isabel
Recreio, Barra
Tô no Recreio com a Confraria
Horário - 12h
Onde - Avenida Lúcio Costa, Posto 10, Recreio
Eu Sou Normal, mas o Côco é Loko
Horário - 14h
Onde: Av. Lúcio Costa, em frente ao nº 2.940 – Quiosque Côco Loko, Barra
Méier
Galo do Méier
Horário - 17h
Onde - Rua Constança Barbosa, em frente ao nº 212, Méier
Ilha do Governador
União dos Blocos da Ilha do Governador
Horário - 12h
Onde - Praça Iaiá Garcia Ribeira
Quem Vai, Vai, Quem Não Vai, Não Cagueta
Horário - 17h
Onde - Praça Jerusalém, Jardim Guanabara
Realengo, Bangu
Balbúrdia de Realengo
Horário - 17h
Onde - Rua Dona Olímpia, esquina com Avenida do Canal, Realengo
Bangay Folia
Horário - 18h
Onde - Rua Figueiredo Camargo, Praça da Kibon, Bangu
Leo Correa/AP
Imagem: Leo Correa/AP

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está fechada

Não é possivel enviar comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Anderson Baltar

Anderson Baltar

Unidos da Tijuca quer voltar a ser campeã com Comissão reforçada

Uma das escolas que mais evoluíram nos últimos 20 anos no Carnaval carioca, a Unidos da Tijuca demonstra estar de volta à briga do título. Após o acidente no desfile de 2017 e de um Carnaval de entressafra em 2018, a azul e amarela trouxe como reforços para o seu barracão o diretor de Carnaval Laíla e o carnavalesco Fran Sergio. Eles se juntaram à Comissão de Carnaval formada por Annik Salmon, Hélcio Paim e Marcus Paulo, que já vinha trabalhando na agremiação desde os tempos em que o desfile era comandado por Paulo Barros.  Com a nova composição, a Comissão ganha a junção de duas filosofias que renderam campeonatos: a modernidade e leveza da Tijuca e o luxo e densidade dos desfiles da Beija-Flor. A mistura, à primeira vista inusitada, de acordo com os carnavalescos, dará certo na Sapucaí. A Tijuca, que encerrará o desfile de domingo, trará o enredo "Cada macaco no seu galho. Ó, meu Pai, me dê o pão que eu não morro de fome!", sobre toda a importância do pão no contexto histórico, religioso e social ao longo da trajetória da humanidade. Para saber mais detalhes do Carnaval da escola, conversamos com Annik, Fran Sergio, Hélcio e Marcus. Confira: Anderson Baltar: Como surgiu a ideia do enredo? Annik: A gente já tinha a vontade de fazer um enredo que tocasse as pessoas e tivesse uma mensagem emocional, de amor. Recebemos um e-mail com a sugestão de um enredo sobre o páo. Só que a proposta era de um enredo histórico. Gostamos da ideia de usar o pão como pano de fundo para o nosso enredo, mas usar para falar do momento atual do país e do mundo, da falta de amor e de companheirismo e da intolerância política e religiosa.  A Tijuca tinha uma linha de Carnavais, desde Paulo Barros. E Laíla e Fran vieram da Beija-Flor com outra proposta. Qual será o estilo de desfile? Leve e alegre que nos acostumamos ou um pouco mais clássica? Marcus: Um pouco dos dois. Tanto para nós quanto para eles é um estilo diferente de enredo. E tudo se encaixou perfeitamente.  Fran Sergio: Todos tínhamos a vontade de fazer um enredo com essa pegada. Vai se criar uma nova forma de desfile. O samba já mostra isso. É uma outra Tijuca que irá para a avenida.  Teremos alegorias humanas? Annik: Sim! Fran Sergio: Teremos a alegria e a leveza da Tijuca, mas a pompa e o luxo dos bons tempos da Beija-Flor.  Marcus: Você vai falar que não é Beija-Flor, nem Tijuca. É uma nova forma de Carnaval. Hélcio: Queríamos fazer um enredo mais humanitário e ter um grande samba. Era uma deficiência da escola. Apesar de cantarmos muito, batíamos na trave. O trabalho do Laíla aprimorou muito a qualidade dos sambas e fomos muito felizes porque tivemos uma final com quatro grandes obras. Estamos apostando no trabalho de barracão e no samba, que já foi abraçado pela comunidade. Fran Sergio: O Laíla é um grande mestre e está com sangue nos olhos, com vontade de ser campeão. E, a despeito de toda experiência,  a mente dele é mais jovem que a nossa. Annik: Quando estamos desanimados, ele vem e nos incentiva.  O que podemos saber desde já do que será mostrado na avenida? Fran Sergio: Contaremos a história do pão, não só o alimento, mas o pão material, espiritual e social. Falaremos do início do pão, das primeiras civilizações que o desenvolveram. Temos uma parte religiosa, mostrando o pão da vida. Enfocaremos a era das revoluções, surgidas por conta da falta do "pão", mostraremos a chegada do alimento ao Brasil, dos negros nos tumbeiros vindo para cá à base de pão e água. E terminamos com uma crítica social, a toda essa desigualdade e intolerância. Se cada um fizer sua parte, ou seja, cada macaco estiver no seu galho, teremos um mundo melhor.  Vivemos a pior crise financeira da história do Carnaval. No que vocês apostaram para diminuir os custos? Hélcio: O presidente pediu para não tivermos excessos e desperdício. Vamos trabalhar bastante com materiais alternativos. Fran Sergio: Tem muita palha, capim. As roupas não são muito grandes, porque queremos que a escola evolua  e cante muito. E também diminuímos um setor: ao invés de seis carros, desfilaremos com cinco. Marcus: Fizemos também um trabalho grande de pesquisa de materiais. Fomos em São Paulo procurar e conseguimos muita coisa a um preço bem mais baixo. Hélcio: O corte mais sensível na estrutura é o de uma alegoria. Temos uma ala a menos do que ano passado. Não podemos prejudicar a qualidade do espetáculo.  2018 foi um ano de transição. Para 2019, podemos considerar a Tijuca de volta pra briga, mesmo desfilando no domingo? Annik: Sem dúvida. Inclusive, a Tijuca já foi campeã desfilando no domingo.  Fran Sergio: E ainda vamos encerrar o desfile. Eu, particularmente, adoro. Ganhei alguns Carnavais na Beija-Flor nesta posição de desfile. Marcus: É o nosso objetivo.  Annik: Nos últimos anos, as escolas que trazem um grande samba têm sido campeãs. Nesse ano, além dos quesitos da Tijuca, que sempre foram fortes, temos um grande samba. Isso pode fazer a diferença. Hélcio: É fundamental agradar ao público. Se tivermos um grande samba, o público se empolgará e, certamente, influenciará os jurados.  Mesmo desfilando de dia? Marcus: O nosso último campeonato foi em 2014, com o enredo do Ayrton Senna, encerrando o desfile. Hélcio: Prefiro desfilar por último do que primeiro.  Fran Sergio: Já estamos preparando para desfilar de dia. Paleta de cores, materiais, tudo feito para brilhar com o sol. Hélcio: O nosso sonho é que o povo se empolgue com o samba e venha sambando atrás da Tijuca. Estamos trabalhando para isso. Ter um samba explodindo na Sapucaí é a melhor resposta e a maior satisfação.

Anderson Baltar
Anderson Baltar
Anderson Baltar
Anderson Baltar
Anderson Baltar
Anderson Baltar
Anderson Baltar
Anderson Baltar
Anderson Baltar
Anderson Baltar
Anderson Baltar
Anderson Baltar
Anderson Baltar
Anderson Baltar
Anderson Baltar
Anderson Baltar
Anderson Baltar
Anderson Baltar
Da Redação
Anderson Baltar
Anderson Baltar
Anderson Baltar
Anderson Baltar
Anderson Baltar
Anderson Baltar
Anderson Baltar
Anderson Baltar
Anderson Baltar
Anderson Baltar
Anderson Baltar
Anderson Baltar
Anderson Baltar
Anderson Baltar
Anderson Baltar
Da Redação
Estadão Conteúdo
Anderson Baltar
Anderson Baltar
Anderson Baltar
Anderson Baltar
Anderson Baltar
Anderson Baltar
Anderson Baltar
Anderson Baltar
Anderson Baltar
Anderson Baltar
Anderson Baltar
Anderson Baltar
Anderson Baltar
Topo