Carnaval 2018

Carnaval 2018

Amor que dura além da Quarta-feira de Cinzas

Getty Images
Carnaval também pode ser palco de lindas histórias de amor Imagem: Getty Images

Juliana Diógenes e Roberta Pennafort

Estadão Conteúdo

13/02/2018 10h54

Já diziam o Pierrô e a Colombina da Noite dos Mascarados de Chico Buarque que, no amor de carnaval, "amanhã tudo volta ao normal", então "deixa a festa acabar, deixa o barco correr". Para a sorte dos pequenos Théo e Martin, há amores de carnaval que resistem à Quarta de Cinzas.

Théo, de 1 ano, é filho do empresário Giovani Carneiro, de 39 anos, que não tem vergonha de dizer que encontrou a mulher da sua vida em um carnaval. E logo no primeiro dia. O ano era 2002, em Senador Firmino, município de 7 mil habitantes no interior mineiro, onde os dois nasceram. Ele estava solteiro e queria "bagunçar" com os amigos, mas no sábado, primeiro dia da folia, esbarrou com uma paixão platônica da adolescência: Flávia Guimarães de Oliveira, hoje servidora pública, de 35 anos.

"Quando a vi, pensei: 'Ela é muito bonita'. Depois planejei: 'Vou tentar conversar com ela, mas não vou conseguir beijá-la'. E quase hesitei: 'Será que vou levar um 'fora'?'. Acabamos conversando e rolou. Nos apaixonamos e vivemos uma relação maravilhosa há 15 anos. Porque a mulher da minha vida é a Flavinha", afirma Carneiro.

Desde aquele reencontro em 2002, eles curtiram juntos todos os carnavais. Este será o primeiro ano em que estarão longe: Carneiro ficará em São Paulo trabalhando, Flávia e Théo vão para Senador Firmino.

À primeira vista

Já Martin é fruto de um amor que brotou nos bloquinhos cariocas. Antes de se tornar sua mãe, Juliana Arruda, paulistana morando no Rio, não via nenhuma graça em bloco de carnaval. Achava tudo muito cheio, quente e confuso e preferia passar o feriado em um retiro espiritual. Até que em 2014 resolveu ir para a rua e se tornou mais uma apaixonada pela folia. No ano seguinte, a festa ganharia outro sentido.

"A gente se conheceu na quinta-feira pré-carnaval: se olhou, se beijou e passou o carnaval inteiro junto. Minhas amigas diziam: 'Você está louca? Casar no carnaval? Vai beijar outros!", lembra a produtora de audiovisual, hoje mãe do pequeno Martin, com 1 ano e 7 meses, o mais novo companheiro de blocos.

Assim como o marido, Luiz Octávio Guimarães, de 32 anos, ela não procurava nada além de diversão com as amigas naqueles dias. "Estava no auge da minha solteirice, ele também. Foi o destino, tinha de ser. Se não fosse no carnaval, seria em outro momento. É um cara muito maravilhoso, muito engraçado e de boa na vida", diz ela.

O cenário do encontro do casal foi o bloco Minha Luz é de Led, uma das novidades dos últimos anos nas ruas cariocas. Os dois se aproximaram porque tinham amigos em comum. Juliana havia sido vítima de furto em um outro bloco e havia ficado sem celular, o que impedia a comunicação com Luiz Octávio. Por acaso, voltaram a se encontrar nos dias seguintes em outros blocos, sempre no meio da multidão. "A gente não marcava, se encontrava meio por acaso, depois dispersava, se encontrava de novo... O primeiro beijo, no fim do bloco, foi aquele longo, que os amigos começam a sair de perto."

Os beijos não cessaram passado fevereiro. Em outubro, veio a notícia da gravidez; em novembro, já estavam casados. Em 2016, a folia foi com Martin na barriga; em 2017, com o menino no colo. Este ano, com Luiz Octávio trabalhando na folia, vendendo cerveja artesanal, mãe e filho brincam colados.

Encontro

Nos bailes de carnaval de São Paulo, foi uma dança que aproximou o casal Airton Gontow, jornalista de 56 anos, e Maria da Conceição Pereira, de 54. Gontow não falha na data exata: era 5 de fevereiro de 2008. Recém-separado, ele era o organizador de um baile em Pinheiros, na zona oeste. Estava sentado enquanto todos dançavam.

"Uma hora o proprietário da casa, Telmo Carvalho, apareceu e perguntou-me por que eu não estava dançando. Estou trabalhando", falei. "Ele disse que deveria deixar de ser tolo: 'Você está separado. O baile é um sucesso. Se ficar aqui sentado. não aceito fazer o evento novamente no ano que vem'", ameaçou, brincando. Fui ao salão e logo vi uma mulher linda, ao lado de uma outra moça, no meio do salão", recorda ele.

Gontow a convidou para tomar um café. "Ela já estava saindo do clube. Saí correndo", diz. "Começamos a conversar e amanheceu. Eu a levei no carro dela e dei um beijo de tchau. Nunca tinha dado beijo de primeiro encontro. Mas sentimos naquela hora que aquele encontro era para sempre."

Gontow e Maria estão juntos há dez anos. Daquele encontro, desenvolveu-se a paixão e a parceria. Eles mantêm o site de paquera Coroa Metade, que já soma 54 casamentos e 330 mil usuários. "Vivenciei a experiência e sei como é difícil conhecer uma pessoa nova depois que você se separa. E percebi também que conheci a Maria porque foi em um baile à moda antiga. Foi um lugar com pessoas de gostos parecidos", diz.

Após se separar, aos 43 anos, o jornalista costumava dizer que nunca casaria novamente. Mas quando conheceu Maria voltou a acreditar que é possível se apaixonar outra vez. "Tem aquela frase 'o amor de carnaval dura menos que a folia'. Pode até ser verdade. Porque desde aquele baile de carnaval com a Maria meu coração permanece em estado de folia." As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está fechada

Não é possivel enviar comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Anderson Baltar

Anderson Baltar

Unidos da Tijuca quer voltar a ser campeã com Comissão reforçada

Uma das escolas que mais evoluíram nos últimos 20 anos no Carnaval carioca, a Unidos da Tijuca demonstra estar de volta à briga do título. Após o acidente no desfile de 2017 e de um Carnaval de entressafra em 2018, a azul e amarela trouxe como reforços para o seu barracão o diretor de Carnaval Laíla e o carnavalesco Fran Sergio. Eles se juntaram à Comissão de Carnaval formada por Annik Salmon, Hélcio Paim e Marcus Paulo, que já vinha trabalhando na agremiação desde os tempos em que o desfile era comandado por Paulo Barros.  Com a nova composição, a Comissão ganha a junção de duas filosofias que renderam campeonatos: a modernidade e leveza da Tijuca e o luxo e densidade dos desfiles da Beija-Flor. A mistura, à primeira vista inusitada, de acordo com os carnavalescos, dará certo na Sapucaí. A Tijuca, que encerrará o desfile de domingo, trará o enredo "Cada macaco no seu galho. Ó, meu Pai, me dê o pão que eu não morro de fome!", sobre toda a importância do pão no contexto histórico, religioso e social ao longo da trajetória da humanidade. Para saber mais detalhes do Carnaval da escola, conversamos com Annik, Fran Sergio, Hélcio e Marcus. Confira: Anderson Baltar: Como surgiu a ideia do enredo? Annik: A gente já tinha a vontade de fazer um enredo que tocasse as pessoas e tivesse uma mensagem emocional, de amor. Recebemos um e-mail com a sugestão de um enredo sobre o páo. Só que a proposta era de um enredo histórico. Gostamos da ideia de usar o pão como pano de fundo para o nosso enredo, mas usar para falar do momento atual do país e do mundo, da falta de amor e de companheirismo e da intolerância política e religiosa.  A Tijuca tinha uma linha de Carnavais, desde Paulo Barros. E Laíla e Fran vieram da Beija-Flor com outra proposta. Qual será o estilo de desfile? Leve e alegre que nos acostumamos ou um pouco mais clássica? Marcus: Um pouco dos dois. Tanto para nós quanto para eles é um estilo diferente de enredo. E tudo se encaixou perfeitamente.  Fran Sergio: Todos tínhamos a vontade de fazer um enredo com essa pegada. Vai se criar uma nova forma de desfile. O samba já mostra isso. É uma outra Tijuca que irá para a avenida.  Teremos alegorias humanas? Annik: Sim! Fran Sergio: Teremos a alegria e a leveza da Tijuca, mas a pompa e o luxo dos bons tempos da Beija-Flor.  Marcus: Você vai falar que não é Beija-Flor, nem Tijuca. É uma nova forma de Carnaval. Hélcio: Queríamos fazer um enredo mais humanitário e ter um grande samba. Era uma deficiência da escola. Apesar de cantarmos muito, batíamos na trave. O trabalho do Laíla aprimorou muito a qualidade dos sambas e fomos muito felizes porque tivemos uma final com quatro grandes obras. Estamos apostando no trabalho de barracão e no samba, que já foi abraçado pela comunidade. Fran Sergio: O Laíla é um grande mestre e está com sangue nos olhos, com vontade de ser campeão. E, a despeito de toda experiência,  a mente dele é mais jovem que a nossa. Annik: Quando estamos desanimados, ele vem e nos incentiva.  O que podemos saber desde já do que será mostrado na avenida? Fran Sergio: Contaremos a história do pão, não só o alimento, mas o pão material, espiritual e social. Falaremos do início do pão, das primeiras civilizações que o desenvolveram. Temos uma parte religiosa, mostrando o pão da vida. Enfocaremos a era das revoluções, surgidas por conta da falta do "pão", mostraremos a chegada do alimento ao Brasil, dos negros nos tumbeiros vindo para cá à base de pão e água. E terminamos com uma crítica social, a toda essa desigualdade e intolerância. Se cada um fizer sua parte, ou seja, cada macaco estiver no seu galho, teremos um mundo melhor.  Vivemos a pior crise financeira da história do Carnaval. No que vocês apostaram para diminuir os custos? Hélcio: O presidente pediu para não tivermos excessos e desperdício. Vamos trabalhar bastante com materiais alternativos. Fran Sergio: Tem muita palha, capim. As roupas não são muito grandes, porque queremos que a escola evolua  e cante muito. E também diminuímos um setor: ao invés de seis carros, desfilaremos com cinco. Marcus: Fizemos também um trabalho grande de pesquisa de materiais. Fomos em São Paulo procurar e conseguimos muita coisa a um preço bem mais baixo. Hélcio: O corte mais sensível na estrutura é o de uma alegoria. Temos uma ala a menos do que ano passado. Não podemos prejudicar a qualidade do espetáculo.  2018 foi um ano de transição. Para 2019, podemos considerar a Tijuca de volta pra briga, mesmo desfilando no domingo? Annik: Sem dúvida. Inclusive, a Tijuca já foi campeã desfilando no domingo.  Fran Sergio: E ainda vamos encerrar o desfile. Eu, particularmente, adoro. Ganhei alguns Carnavais na Beija-Flor nesta posição de desfile. Marcus: É o nosso objetivo.  Annik: Nos últimos anos, as escolas que trazem um grande samba têm sido campeãs. Nesse ano, além dos quesitos da Tijuca, que sempre foram fortes, temos um grande samba. Isso pode fazer a diferença. Hélcio: É fundamental agradar ao público. Se tivermos um grande samba, o público se empolgará e, certamente, influenciará os jurados.  Mesmo desfilando de dia? Marcus: O nosso último campeonato foi em 2014, com o enredo do Ayrton Senna, encerrando o desfile. Hélcio: Prefiro desfilar por último do que primeiro.  Fran Sergio: Já estamos preparando para desfilar de dia. Paleta de cores, materiais, tudo feito para brilhar com o sol. Hélcio: O nosso sonho é que o povo se empolgue com o samba e venha sambando atrás da Tijuca. Estamos trabalhando para isso. Ter um samba explodindo na Sapucaí é a melhor resposta e a maior satisfação.

Anderson Baltar
Anderson Baltar
Anderson Baltar
Anderson Baltar
Anderson Baltar
Anderson Baltar
Anderson Baltar
Anderson Baltar
Anderson Baltar
Anderson Baltar
Anderson Baltar
Anderson Baltar
Anderson Baltar
Anderson Baltar
Anderson Baltar
Anderson Baltar
Anderson Baltar
Anderson Baltar
Da Redação
Anderson Baltar
Anderson Baltar
Anderson Baltar
Anderson Baltar
Anderson Baltar
Anderson Baltar
Anderson Baltar
Anderson Baltar
Anderson Baltar
Anderson Baltar
Anderson Baltar
Anderson Baltar
Anderson Baltar
Anderson Baltar
Anderson Baltar
Da Redação
Estadão Conteúdo
Anderson Baltar
Anderson Baltar
Anderson Baltar
Anderson Baltar
Anderson Baltar
Anderson Baltar
Anderson Baltar
Anderson Baltar
Anderson Baltar
Anderson Baltar
Anderson Baltar
Anderson Baltar
Anderson Baltar
Topo